Grupo Tutti | Entrevista

14 de Junho de 2010

O Grupo Tutti surgiu da idéia de se fazer um tipo de música que englobasse tanto o jazz quanto a música erudita. Um dos melhores exemplos desta combinação de estilos é a conhecida peça "Suite para Flauta e Jazz Piano", de Claude Bolling, onde o compositor alterna melodias barrocas com o improvisos jazzísticos. Além desta suíte, os músicos apresentarão peças de Granados, Bach, Chopin e outros com arranjos de Claus Ogerman, ainda inéditas nos palcos brasileiros.

Perguntas

  1. Eu queria começar por uma coisa que eu li aqui no material de vocês e que eu achei bem interessante, que é dizer que havia improviso na música erudita, na época de Bach e Mozart, principalmente. Vocês podem falar um pouco sobre isso?
  2. E você acha que o conhecimento disso foi uma das inspirações para montar o grupo?
  3. Bach é um autor que todos os pianistas tocam, porque tem que tocar. Mas qual é a diferença para o que vocês fazem aqui?
  4. Como se deu o encontro entre vocês para nascer o grupo?
  5. Kleberson, eles estavam falando da importância da bateria. Eu queria que você falasse um pouco como é fazer esse som para você, que já teve uma experiência que vai de Simonal a J.Meireles. Como é especialmente esse som, pra você?
  6. Já o saxofone é um instrumento que sola. Como se dá o papel do sax nessa formação ?
  7. A gente recebe muitas formações diferentes aqui no Instrumental, e muitas vezes a gente vê Villa-Lobos conversando com Radamés Gnattali e Tom Jobim, fazendo a conversa entre samba, choro e música erudita. Mas acho que é a primeira vez que a gente vê a música erudita conversando com o jazz deste jeito. Como vocês, que teem uma formação mais popular, poderiam definir esse som do Tutti?
Voltar ao topo

Programação SescTV

31 de Maio

  • 06:00Instrumental Sesc Brasil - Fernando Molinari Trio
  • 11:30Passagem de Som - Nenê Trio + Kinteto
  • 16:30Passagem de Som - Dedo de Moça
  • 17:00Instrumental Sesc Brasil - Dedo de Moça
programação completa